domingo, 2 de julho de 2017

Do cansaço à poesia

Quando o cansaço abafa a chama da alegria,
descai a cortina sobre a janela do mundo,
fica a alma isolada num espaço sem via,
obrigando-a a virar-se para um poço sem fundo.

O poeta vê a beleza na luz como no escuro.
Sabe que é a vida que lhe abre e fecha os olhos.
O seu sonho, livre, passa a través dos muros.

Brinca com as estrelas que distribua aos molhos.

A contrariedade

A contrariedade faz da emoção uma rocha na praia lisa do bem-estar. Chocam nela as ondas da vida criando redemoinhos de confusões e crate...