Entra Na página do Yoga de Leiria

domingo, 31 de outubro de 2010

Olhos fechados num coração aberto

Fecha os olhos, e vê o estremecer da vida nas pétalas da existência.
Deixa-os cobertos, neste mundo aberto, em certezas que nada tem fim.
Descai a véu da alma sobre os olhos da paz, no filtrar da penumbra do viver.
E quando elevares o coração, baixa os olhos para o feliz encontro do amor e do amante.
Lembre-te as vezes que fechastes os olhos para acordar do sonho da mentira,
e com os olhos reluzentes de ternura, bebeste o cálix da alegria no repouso do coração.
No conchego das pálpebras, protege o teu brilhante olhar embriagado de amor.
Infinito, é o espaço que encontras por detrás do teu cismar, e infinita é a tua visão.
É cego o teu olhar amante, não por que vê tudo escuro, mas porque vê que tudo é amor.
Inclina a alma, antes de abrir os olhos, para que a alma do mundo te possa envolver.
A luz do espírito iluminara o que vêm os olhos da razão;
Sempre que actuares pela alma e abrires o coração.

sábado, 2 de outubro de 2010

Filhotes

A minha carne, sorrindo, fica à espera do filósofo para que venha provar que estes filhos não lhe pertencem.
Reconheço o meu sangue quando ferve nas veias da impaciência e da brincadeira.
São um espelho quebrado que reflicta a luz das mil facetas do meu passado.
São a incorporação dos meus sonhos no abraço dum novo futuro.
São o sobressalto de quem acorda da ilusão que tinha da “educação”.
São a suavidade, leveza e pureza do anjo que transmite as rudes e imparciais ensinamentos da vida.
Em vós palpita um:
 Coração que ainda não conhece o aperto da armadura do guerreiro.
 Coração que brilha longe das cicatrizes e golpes do combate à sobrevivência.
 Coração delicado, como as mais tenras pétalas das flores do jardim do meu esquecimento.
 Coração de um universo que se expande, se dissolve e se recria a cada momento.
 Coração tão ínfimo mas tão profundo que atrai a luz para melhor irradiar o seu próprio mundo.
Filhotes, à espera de ser para vós um amigo, deixam-me por um pouco, me sentir... pai.