Entra Na página do Yoga de Leiria

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Vão pensamento

O pensador, que usa o espelho errado,
Puxa sobre a terra um penoso arado.
Revolve a matéria como quem lavra
E semeia para colher o fruto da palavra.

A sua voz papagaia a filosofia
Por que tudo o que pensa e diz copia.
E quando a seta acerte na sabedoria,
É porque a alma do mundo a guia. 

Se a atenção fosse clara como a fonte,
Estaria fora e dentro ao mesmo tempo.
Mas a dualidade orgulhosa da personalidade
Deturpa a verdade imanente à realidade.

sábado, 3 de outubro de 2015

A importância da meditação

Que importa o que me importa porque tal como entrou sai pela mesma porta.

Se me dessem a vida para meditar a minha meditação seria pura acção.

domingo, 23 de agosto de 2015

Interdependência

A psicologia diz-me que, mais do que o estudo da alma, ela é o estudo do ego. Escrever algo de novo é querer destacar-me do outro e tornar-me diferente. Mas não há nada que me venha que o outro não tenha. Vivemos a lutar para sair da manada mas não somos nada debaixo do manto do tudo que nos cobre. Uso as palavras criadas pelos outros, sento-me na cadeira que provêm da cadeia das artes dos outros, uso o lápis que nos meus dedos tácteis é-me alheio ao saber que o fez, e no papel saboreio como o mel o silêncio sonoro que me veio pelas ideias nele postas.  

domingo, 5 de julho de 2015

Satisfação

Toda a satisfação que nos trás prazer, é na realidade o clarão da lembrança do esquecimento, quando vivemos sem a força e a coragem para criar e que a alma se agarra à matéria para se negar. Que será a vida se não a natureza tornada consciente da sua própria existência. Os meus sentimentos são o produto do mundo e por eles o mundo se contempla. 

sábado, 2 de maio de 2015

Satisfazer o desejo

Surpreendi-me a contemplar o sentimento que os sentidos semearam na minha consciência. A percepção que tinha da existência não se podia desligar do mundo perceptível. A liberdade da existência que se descobre consciência eleva-se acima da dependência. Nada sei daquilo que vejo e não preciso saber para encontrar o prazer e satisfazer o desejo. 

sábado, 4 de abril de 2015

Sopro do tempo

Imóvel, sinto o sopro do vento que, ao acariciar a minha pele diz que está a passar o tempo. A árvore responde pelo canto e eu, que sou humano, respondo num sentimento. Mas os dois se movem na consciência do sopro do mesmo alento. 

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Saber

A consciência do não entendimento leva a minha alma pró conhecimento.

Meditar por meditar, que fique na página branca a experiência. Quem souber ler entre as linhas da aparência irá encontrar o núcleo da omnisciência.