Entra Na página do Yoga de Leiria

domingo, 1 de janeiro de 2012

A herança que nos vem do mar


Quando brando, o mar é prosperidade
Estende a mão e dá tranquilidade
Mas quando raivoso afasta quem tem fome
As suas ondas são o vai-e-vem que nos consome

Quando o sofrimento se alimenta da alegria
Não há quem acredita na filosofia
Pois ele promete o sonho a quem precisa de alimento
A promessa é fermento dum pão que não enche o ventre

Mas não deixa o sonho de ter valor
Porque nem o homem nem o animal vivem sem amor
Não deves rejeitar o poeta por não ter nada na mão
A vida é curta e o que fica no fim é recordação

Como podes querer a continuidade
Se a vida nasce no mar da instabilidade
Rasga-se o coração entre o querer e o dever
A dor é a única constância na vida do ser