Entra Na página do Yoga de Leiria

sábado, 3 de julho de 2010

Ver ou não ver? Aqui sou a questão

Vim, na minha negação de ver,
O plácido visto, a olhar para mim
Perdi-me neste espaço sem saber
De que lado se encontrava a razão

Tinha a alma esticada ao infinito
Origem comum do visto e do vidente,
Pela fome e sede do coração
Encontrei uma nova definição:

Não há isolamento no despontar da revelação
E fico com saudades do bem que me trás o mal
Lembro-me dos que rejeitam o mal por avidez do bem
Sem se saber projectados nas chamas dos desejos condenados